Carta Aberta

A/c Pessoas que escrevem cartas abertas por tudo e por nada, só para armar.

Caríssimos,
Os protestos e indignações pela via epistolar, salvo no caso da soror Mariana Alcoforado (por razões óbvias de voyeurismo), são uma coisa datada, mole, e não conseguem suscitar a atenção de mais do que 3 sociólogos da Damaia e 1 endireita de Coimbrões. Nos dias desgraçados que vivemos, já recebemos tantas cartas das Finanças e da Ascendi que mais uma carta, ainda por cima aberta, é só mais uma porcaria de uma carta. Um protesto para ser minimamente eficaz, para obter um erguer de sobrancelha que seja, terá que constar de auto-mutilações ou imolações pelo fogo de algum dos indignados.
Fechem, por isso, as cartas. Invistam antes em machadas de carniceiro e bidões de gasolina e pneus semi-novos (ou carecas, vá) e escolham, por sorteio, um de vós para o sacrifício. Era limpinho: quebrava-se a Internet, o que nem a Kardashian conseguiu, e mudavam-se as políticas.
Beijos.

Aloisio Nogueira

Génio em part-time. Nasceu em 1966 e está moderadamente contente com isso, embora os seus rendimentos sejam ridiculamente baixos. Part-time genius. Born in 1966, is mildly happy about that. Ridiculously small income, though.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.