Crónicas da aldeia II


Pela altura em que acordei – um quarto para as onze, andava já a aldeia num alvoroço só. Já reunira a Junta com a Comissão Fabriqueira, espécie de Conselho de Estado local, e o Felisberto, solícito, a mando da Odete presidenta, já telefonara para o posto da Guarda em São Bernardino. Tudo numa fona, e isto só em meia manhã.

Tirando a vez em que o Berto Sapo tirou um 30º lugar numa etapa da Volta a Portugal de 72, não havia memória de tamanha comoção na comunidade.

Coisa séria, está bom de ver, que a aldeia não é das que se empertiga por dá cá aquela palha, como bem se documenta no caso do famoso incêndio de 85, que comeu a serra inteira, cercou a localidade e estando já pronto a lamber as casas da Pacheca, nem uma alma lhe deitou um balde de água. Tudo em volta a arder, labaredas tamanhas que nem no Inferno e os homens entretidos na venda da Tona, à sueca e ao dominó, e as mulheres em casa sem despregar o olho do Roque Santeiro.

Que não era preciso, que a aldeia sabe bem a que santo ajoelha e o nosso São Bartolomeu, que agora há-de estar ocupado com coisa mais séria, na hora certa resolverá o assunto, porque nós temos as contas em dia com o nosso santinho e também não lhe faltamos com nada.

E o certo é que, quando o fogaréu se chegou à primeira figueira da Pacheca, do nada se levanta um tremendo vendaval de vento que empurrou as chamas de volta para trás, onde já não tinha mais onde arder e para finalizar o serviço, sem que se visse uma nuvem no céu, o santo ainda mandou uma chuva demorada por toda a noite, para que o povo não se maçasse com os trabalhos do rescaldo, que não matam mas moem.

É bem verdade que o festão que por aqui faz ao santo, mesmo sem padre que nos pastoreie vai para mais de 30 anos, é de uma riqueza que não tem rival em toda a cristandade. Se os santos fossem dados a inveja, que não são, sublinhe-se, o nosso São Bartolomeu ia passar um mau pedaço lá com os camaradas.

A confiança é um pilar insubstituível na felicidade dos homens, como não se cansa de sublinhar o Tribunal Constitucional e o comprova a frutuosa sociedade que a nossa aldeia mantém com o apóstolo, que tendo sido esfolado vivo e decapitado, sabe bem o que são as agruras da vida e por isso, na hora do aperto, nunca falha, desde que não falhem com ele, claro está.

Deixa-me vestir umas calças e ir à venda da Tona saber do que se passa. Depois conto.

Aloisio Nogueira

Génio em part-time. Nasceu em 1966 e está moderadamente contente com isso, embora os seus rendimentos sejam ridiculamente baixos. Part-time genius. Born in 1966, is mildly happy about that. Ridiculously small income, though.