De volta aos Falcões e aos Mandrakes

Falcão

Pessoa culta e bem formada, leitora inveterada, deu-me conta recentemente,da sua aversão à Banda Desenhada. – Que gostava da leitura pura e dura, com palavras e letras alinhadas na devida e competente ordem, sem outras distrações que não fossem as incontornáveis “viragens de página”. A Banda Desenhada estava nos antípodas desse seu gosto, porque era uma arte desorganizada: quadro acima, quadro abaixo; onomatopeias e balões; tudo em grande e aflitiva desordem. O mais das vezes, dizia, fruto dessa misturada, acabava por ler os diálogos do fim para o princípio e isso não lhe servia.
Fez-me uma grande impressão essa confissão.
Eu, à minha conta, devo ter devorado milhares de Falcões, Mundos de Aventuras e quejandos. E lembro-me perfeitamente como tudo começou:
Pelos meus 4 ou 5 anos, largado nas minhas deambulação pela casa da minha avó, cheirando aqui espreitando acolá, descobri, no quarto dos meus tios moços, um baú de generosas dimensões, tão carcomido pelo bicho, que, apesar de aferrolhado, permitia aberturas onde cabiam à justa as minhas mãos e braços de cachopo, que, ao longo de alguns anos, foram apalpando e retirando, à sorte, mirabolantes aventuras de Fantasmas, Principes Valentes, Tarzans, Kalares, Ric Ochetes, Majores Alvegas, Robins dos Bosques, Mandrakes, Sandores, Buffalos Bill e tantos, tantos outros.
De cada vez que enfiava a mão naquele buraco do baú, o tempo parava e, qual Xavier de Maistre, à roda daquele quarto, viajava aos confins do espaço sideral com o meu parceiro Rick Random. Em menos de um fósforo, passava à selva impenetrável, muito camarada com Kalar, para depois, no final da tarde, me dedicar a por as Antilhas a ferro e fogo com a ajuda de Sandor, o Corsário.
Durante anos carreguei pilhas de revistas, muito surradas, emprestadas por malta amiga, e que circulavam de casa em casa, sem nunca se ter sabido muito bem qual era a sua origem ou dono, pois não havia memória de alguém, alguma vez, ter comprado uma revista sequer. Eu, por mim, nunca gastei um tostão.
Sei que, não fosse a BD, hoje seria pessoa diferente. Melhor ou pior, não sei. Mas diferente, seguramente. Daí a minha perplexidade.
Desgraçadamente, dos milhares, sobrou-me apenas esse Falcão aí de cima. Pena!


Aloisio Nogueira

Génio em part-time. Nasceu em 1966 e está moderadamente contente com isso, embora os seus rendimentos sejam ridiculamente baixos. Part-time genius. Born in 1966, is mildly happy about that. Ridiculously small income, though.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.